16 de fev de 2013

Entenda o que está escrito no rótulo do xampu e encontre o produto certo para o seu cabelo



Nunca as prateleiras estiveram tão abarrotadas de xampu, e com opções das mais variadas. Há desde as básicas, caso das indicadas para cabelo seco, oleoso ou normal, até as mais complexas, como para fios alisados por escova progressiva, loiros ou tingido e com luzes. O lado ruim de tanta variedade é que fica difícil escolher o melhor produto para levar para casa. “Regra geral, é preciso ficar com o que vai resolver o seu maior problema no momento. Por isso, aliás, é impossível ter apenas um pote de xampu em casa, já que é comum resolver um drama e surgir outro, especialmente em quem usa secador e chapinha ou faz química com frequência”, diz o cabeleireiro Eron Araújo, do salão Blend, em São Paulo.

Sendo assim, tão importante quanto pensar no dano que você quer resolver, é preciso saber o significado e a ação de cada ingrediente presente na formulação do cosmético. Os itens listados a seguir estão presentes independentemente se o xampu é específico para fios coloridos, oleosos ou ressecados. “O que muda é a concentração de cada um deles em função do tipo de cabelo”, afirma o farmacêutico e cosmetólogo Maurício Pupo, de Campinas (SP).

Detergente:
“Descrito no rótulo com os nomes lauril sulfato de sódio, lauril sulfato de amônio, lauril éter sulfato de sódio e lauril eter sulfato de amônio, produz uma espuma que agrada sensorialmente e ajuda a remover a gordura tanto dos fios quanto do couro cabeludo”, explica a engenheira química Camila Cerdeira, da K.PRO-Profissional, em São Paulo. Segundo ela, uma das grandes evoluções da indústria da beleza nos últimos anos foi criar o xampu sulfate free, ou seja, sem sulfato, ou substituí-lo por detergentes mais suaves. “Tudo com o objetivo de evitar o desbotamento e o ressecamento do cabelo mais sensível”, completa ela.

pH:
Indica o grau de acidez (quando o pH é menor que 7) ou de alcalinidade (maior que 7) do xampu. “Como a camada de água e gordura que protege o couro cabeludo tem pH levemente ácido, entre 4,2 e 5,8, o produto deve ter um pH próximo desses valores, para não agredir a pele do couro cabeludo, ou um pouco mais baixo, na faixa de 4,0 a 4,5, para ajudar a fechar as cutículas dos fios, realçando o brilho deles”, diz Maurício Pupo.

Filtro solar:
Cria uma película ao redor do fio que bloqueia a ação da radiação ultravioleta, que rouba o brilho, a água e os pigmentos que dão cor ao cabelo, deixando-o manchando. Na prática, os ruivos ficam alaranjados, os castanhos avermelhados e os loiros, amarelados.

Sal:
Geralmente descrito como lauril sulfato de sódio, o sal tem a função de aumentar a viscosidade do xampu e, com isso, dar a sensação de que o cosmético é mais concentrado e benéfico. “Vale lembrar que o ativo não é tão vilão quanto pintam por aí. Pelo contrário, já que trata-se de um ingrediente natural e hidratante, pois atrai água para dentro do fio”, diz o farmacêutico Maurício Pupo. Segundo ele, há a crença de que o efeito do sal do xampu tem o mesmo efeito de embaraçar, ressecar e endurecer o fio que a água do mar, mas isso não acontece, pois a sanilidade na praia gira em torno de 38% enquanto a do xampu é de mais ou menos 0,5%.

Silicone:
Forma uma película ao redor do fio, evitando o atrito entre eles bem como o aparecimento de frizz. Também dá brilho e deixa o toque macio.

Ativos que valem o investimento

Entenda para que servem alguns dos ingredientes mais usados em xampus

Ácido salicílico: Elimina as células mortas do couro cabeludo, favorecendo a atuação de outros ativos.
Aloe vera: Extraído da babosa, não só hidrata, como fortalece e amacia o fio
Ceramida: É um dos hidratantes mais potentes do mercado, tanto que é bastante usado para fechar as cutículas dos fios, deixando-os menos suscetível aos efeitos nocivos dos agentes externos e da química capilar
Colágeno: Como absorve água, prolonga a hidratação.
Extrato de alfazema: Alivia a coceira causada pela caspa e limpa profundamente o couro cabeludo.
Glicerina: É um dos hidratantes mais tradicionais.
Jaborandi: Por ser adstringente, combate a oleosidade excessiva.
Lanolina: Obtida da lã do carneiro, tem ação umectante e deixa o fio mais elástico e resistente à quebra.
Manteiga de karité: Figurinha fácil em produtos para cabelo crespo e quimicamente danificado, reestrutura o fio reduzindo não só o ressecamento, mas também os arrepiados.
Octopirox:Purifica o couro cabeludo e previne o reaparecimento da caspa.
Óleo de melaleuca: Atua como bactericida, fungicida e anti-inflamatório, um trio de cuidados que ajuda a manutenção a saúde e o controle da oleosidade do couro cabeludo sem prejudicar a hidratação do fio.
Óleos essenciais: Obtido de flores ou frutas, balanceiam a oleosidade e hidratam as pontas, além de proteger a cor natural ou artificial do cabelo.
Óleos vegetais: Oliva, abacate, amêndoas, manga e uva estão entre os mais usados e que têm ação emoliente, ou seja, que deixa o cabelo leve, solto, macio e brilhante.
Pantenol: Aumenta a hidratação e o brilho e ainda ajuda a prevenir a queda.
Piritionato de zinco: Tem ação anti-inflamatória e combate a irritação causada pela caspa.
Proteína: Obtida do leite, da aveia, da seda ou do trigo, auxilia a recuperação da fibra capilar e, por isso, é indicada para cabelos danificados por agentes externos, como sol, cloro da piscina e poluição, ou devido ao uso de química capilar, como coloração e alisamento.
Queratina: "Esse tipo de proteína consegue penetrar na fibra capilar e reconstruir falhas internas e externas, desde a causada por química capilar mal feita até a provocada pelo uso exagerado de elástico", diz a engenheira química Camila Cerdeira.
Tutano de boi: Ótima fonte de vitaminas e proteínas, deixa o fio mais resistente à coloração e ao alisamento.
Vitaminas: São várias as usadas. As do complexo B, por exemplo, favorecem o metabolismo do couro cabeludo reduzindo a caspa; enquanto a A e a E deixam os fios mais fortes e resistentes; e a C evita que os coloridos desbotem e percam o brilho.
Zinco: É bastante usado em xampu para cabelo oleoso, já que ajuda a eliminar a oleosidade excessiva da raiz sem ressecar as pontas.


Fonte: Uol

Comentrios
0 Comentrios

0 comentários:

Postar um comentário